E a Grécia disse não!

Leio na BBC que os gregos disseram “NÃO” à proposta de continuação do pacote de austeridade proposto pela União Européia.

Noves fora a discussão econômica – que é o ponto central da questão afinal de contas – a simbologia política atrás deste referendo é enorme.

Não por coincidência, o colunista Demetrio Magnoli escrevia ontem, 04 de Julho, na sua coluna semanal na Folha de S. Paulo, que “Amanhã, tudo indica, os gregos dirão “Sim” à Europa – e, portanto, “Não” ao seu governo...” e triunfalmente concluía seu artigo com “Amanhã, brindemos ao Sim“. Demetrio Magnoli é um bom intelectual de aluguel – nunca se sabe onde termina a sua opinião e onde começa a dos seus patrões, no caso a própria Folha, a Globo News ou a síntese de tudo isso, o think-tank Instituto Millenium.

O povo grego disse não a uma doutrina que é vendida como única, e que mais ou menos desde o golpe de 1973 no Chile –  e contundentemente desde o início dos anos 80  a partir da ascensão de Thatcher na Inglaterra e de Reagan nos Estados Unidos – é martelada como verdade econômica absoluta todos os dias nos grandes veículos de mídia: o neoliberalismo, nas suas várias e diversas vertentes.

Vale a pena, para quem se interessar, ler o artigo de Pierre Bourdieu sobre a sua essência publicado em 1998 no Le Monde Diplomatique. Aqui disponível em português.

Quando escuto que vivemos no Brasil uma grande crise, acho que se esquece o que realmente significa uma crise. Segundo a BBC, “a taxa de desemprego está em 26%, a mais alta de toda a União Europeia. Entre os jovens, esta taxa supera os 60%. Milhões de gregos vivem abaixo da linha da pobreza.”  Não se sabe o que virá agora, mas acho que a mensagem política que a Grécia mandou ao mundo é muito mais importante do que pode parecer hoje.

As vezes a manufatura do consenso falha, e isso é ótimo para a humanidade. Mas quem melhor definiu o sentimento do povo grego foi o grande Lemmy Kilmister:

Essa foi pra você Angela Merkel!!
Essa foi pra você Angela Merkel!!

Para mudar tudo

O para mudar tudo é uma iniciativa criada pelo coletivo americano Crimethinc.

Obviamente se pode discordar, mas vale a pena baixar o pdf em português, gastar um tempinho lendo, e refletir.

Há muitas maneiras de se pensar de como viver em sociedade, como ela deveria ser organizada, e não apenas aquelas tradicionais a que estamos acostumados a ver por aí.

Ontem mesmo 01 de Julho assistia o Jornal da Cultura, edição noturna, e um dos debatedores, o professor de filosofia da PUC-SP Luiz Pondé, dizia que “não existe democracia fora de partido político”. Não sei se é desonestidade intelectual ou simples ignorância.

Para mudar tudo é Fora da Zona Verde, não convencional, não linear.

E por isso mesmo merece ser estudado, avaliado, criticado e praticado.

“Historicamente, muito mais danos foram feitos por pessoas que estavam seguindo ordens do que por pessoas que as descumpriam.”

http://paramudartudo.com/

sobre parma

Fora da Zona Verde

Frank Zappa, um genial músico estadunidense uma vez disse que “without deviation from the norm, progress is not possible” no que pode ser traduzido como “progresso não é possível sem desvio da norma”. Bom o Zappa realmente sabia das coisas e é uma direta inspiração para o nome deste recém nascido blog. Por que Fora da Zona Verde? A ideia é exercitar a escrita através de reflexões não convencionais, em que a norma corrente ou é contestada ou discutida, em algumas vezes até corroborada, mas sempre com um olhar crítico. Da minha formação de físico trago exemplos espetaculares de progresso produzidos “fora da zona verde”: o advento da Mecânica Quântica talvez seja o mais famoso, e Einstein quando jovem se imaginou viajando na velocidade da luz. No campo político venho de uma família de forte influência anarquista e o anarquismo caminha fora da zona verde o tempo todo. Nascemos e vivemos a maior parte de nossas vidas de uma maneira convencional, e talvez não há como fugir disso, pois afinal somos parte de uma sociedade, em que o coletivo muitas vezes deveria se sobrepor ao individual.

Ah! E zona verde também é um filme bem legal do Paul Greengrass….

Longa vida ao Fora da Zona Verde.

 

sobre parma