House of Cards

Nenhum comentário

Terminamos de assistir a terceira temporada de House of Cards (HC), disponível na TV torrent. Trata-se de uma aclamada série feita pela Netflix, tendo obtido vários prêmios desde então e uma ótima recepção na crítica especializada.

A série descreve basicamente os meandros da política americana e suas respectivas correlações: poder político, mídia, poder econômico, poder pessoal. Comentarei a respeito da terceira temporada logo, mas antes gostaria de fazer uma pequena reflexão da política como ela é vista hoje, e que é muito bem retratada nesta charge do Angeli:

AngeliPolitica

Motivado pelo fim da 3ª temporada, reli um pequeno grande ensaio do escritor Paul Goodman chamado A Política Normal e a Psicologia do Poder que está disponível em português aqui. Goodman discorre primeiramente sobre o poder abstrato, que provém de uma fonte exógena, e que é um contraponto ao poder normal, que ele define como “as relações constitucionais entre os interesses funcionais e os grupos de interesses dentro da comunidade em que interagem”. Este poder normal poderia ser imaginado como intrínseco a nós seres humanos e mais genericamente à ordem dos primatas, sendo muitas vezes estudado pelos estudiosos da área, como por exemplo no fantástico livro de Frans de Waal, Chimpanze Politics.

Voltando ao Goodman vale a pena citá-lo mais uma vez: “…inevitavelmente acontece que qualquer homem dotado de ambição deseja obter o Poder e qualquer nação luta para tornar-se o Grande Poder. E quanto maior for a ânsia de poder de alguns, mais necessário parecerá aos outros competir ou submeter-se, para que possam sobreviver – e estarão certos. Muitos se tornam cruéis e impiedosos e outros vivem amedrontados. Mas não é só isso que acontece; o pior ocorre quando os homens começam a pensar que o importante não são os benefícios que o poder lhes permitirá obter mas o poder em si, o prestígio que ele confere…”.

Isto poderia ser perfeitamente uma sinopse de House of Cards, principalmente nas duas primeiras temporadas.

Proudhon, baseado em sua própria experiência pessoal como constituinte, já havia alertado que os políticos são “…justamente os homens que mais completamente desconhecem a situação do país são aqueles que o representam…”

Voltando à série, acho que na terceira temporada de HC os roteiristas quiseram redimir a política com “p” minúsculo e os políticos, impondo aos personagens espasmos de humanidade e preocupações éticas elevadas contrariando um pouco a primeira e a segunda temporada, onde o que se viu foi uma boa ilustração da famosa frase “os fins justificam os meios”, inclusive expondo a mídia como corrupta e basicamente interessada não na verdade pública, mas na verdade baseada unicamente nos seus interesses.

Alguém por exemplo pode imaginar uma primeira dama americana e doublé de secretária de estado, tendo um arroubo humanista em razão de um dissidente gay, e por causa disto perdendo o cargo, e também humilhando um presidente russo com um veemente Shame on You? Ou esta mesma personagem peitando a embaixadora israelense? Ou então um presidente que genuinamente se preocupa com o bem estar da população através da geração de empregos? Meus amigos, mas nem que a porca torça o rabo. Há também, a meu ver, uma certa melodramaticidade que não havia nas duas primeiras temporadas. Como contraponto positivo, algumas cenas bacanas (como quando Frank Underwood diz para sua oponente na corrida presidencial, “agora você é uma de nós”) e o sempre espetacular desempenho de Kevin Spacey e Robin Wright, uma arrogante que dá vontade de socar a televisão. O elenco de apoio também está ótimo, como de praxe em quase todas as séries americanas.

Uma excelente crítica sobre o HC que gostei bastante, embora discordando em alguns poucos pontos, pode ser vista aqui.

Bom, só resta esperar agora a quarta temporada. Mesmo inferior à hors concours Breaking Bad e Sons of Anarchy, (excelente e um tanto subestimada), House of Cards é uma excelente série que eu classificaria como quase imperdível. E para terminar, uma outra charge da genial Laerte:

laerte politica

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s